AUTOR

A Cabine

CATEGORIA
Artigo

5 sugestões para ouvir com atenção no Nova Batida

13 Setembro, 2019 - 11:13

A segunda edição de Nova Batida começa esta sexta-feira e há, entre outros, cinco artistas que não queremos mesmo perder.

Até domingo, o LX Factory e o Village Underground Lisboa recebem a segunda edição de Nova Batida. Durante três dias, uma série de artistas – como Mr. Scruff, Jon Hopkins, Dan Shake, Kettama e Hunee – fazem a festa, num festival que irá também contar com música em barcos, na praia, conversas e muito mais.

Para não te perderes durante o evento, certifica-te que tens os horários à mão.

Este tipo de artigo é sempre injusto – afinal, deixamos de parte artistas como Floating Points (live), Jayda G, Ben UFO e Four Tet. Ainda assim, estes são os nomes que vamos ouvir com maior atenção.

Ross From Friends, sexta-feira às 19h15
Felix Clary Weatherall é um monstruoso produtor e DJ de 26 anos. Provavelmente inspirado pelo seu pai, que pelo final dos anos 80 foi DJ de música tão distinta quanto italo disco ou techno, Ross From Friends destaca-se pelas suas produções, com trabalhos na Brainfeeder e faixas como Talk To Me You’ll Understand a valerem-lhe menções honrosas na imprensa internacional. Foi, aliás, a editora de Flying Lotus a responsável pelo seu álbum de estreia, Family Portrait, de 2018, e o seu mais recente EP Epiphany, os quais revelam o cunho pessoal do inglês – de samples e vocais sonhadores a ritmos altamente estimulantes, tudo embebido no mundo do house, do techno, da inspiração eletrónica do Reino Unido. Ainda por cima, no Nova Batida, Weatherall atua em formato live.

Daniel Avery, sábado à meia-noite
Outro virtuoso produtor – e DJ – inglês é Daniel Avery. Em entrevista à NME, o autor da mixtape Divided Love fala sobre uma adolescência a ouvir bandas como Nirvana e Deftones, com sonoridades cujo efeito voltou a sentir na música techno. Anos mais tarde, já com alguns EPs na bagagem, Daniel Avery assina o 66º volume da série Fabriclive em 2012 e lança o aclamado Drone Logic em 2013, álbum que viria a ser sucedido por Songs For Alpha cinco anos mais tarde, em 2018. Tanto o mix da discoteca Fabric como os dois longa-duração editados na Phantasy Sound provam o dinamismo do homem de Bournemouth, ele que explora um espectro que vai desde o acid ao techno, a passar por géneros como ambient. À partida, no palco Indoor do LX Factory pode-se esperar por um DJ set de techno mais four-on-the-floor e incisivo.

Special Request, sábado às 2h
É provável que muitos conheçam Special Request pelo seu nome de nascimento, com o qual assinou inúmeros trabalhos desde o início do milénio. Paul Woolford é um DJ e produtor de Leeds, cidade onde cresceu e, ainda na adolescência, deu os primeiros passos no mundo da produção de música eletrónica. Com este projeto mais virado para a celebração de sonoridades como breakbeat, electro, garage, IDM, jungle e até techno, Woolford tem lançado brilhantes releases, como é caso dos álbuns editados na Houndstooth, Soul Music (2013), Belief System (2017) e Vortex e Bedroom Tapes (2019). Special Request inclusivamente já tem um terceiro álbum alinhado para este ano, Offworld, que o próprio descreve como um disco em que a “80s soul” encontra o “Detroit electro”. A não perder, assim como o seu DJ set no Nova Batida.

Awesome Tapes From Africa, domingo às 16h
Aquilo que Brian Shimkovitz presenteia com este projeto é exatamente o que se espera: cassetes fantásticas de África. Sem carregar consigo CDs ou LPs, o americano guia os ouvintes por músicas que poderiam ser difíceis de ouvir e encontrar, não fosse ele “um dos maiores colecionadores de cassetes do mundo”, lê-se no site Red Bull Music. Tudo começou por volta de 2006, quando uma bolsa de estudos levou Shimkovitz até o Gana, onde não só se apaixonou pela música africana, como também ganhou vontade de a compilar e partilhar no seu blog Awesome Tapes From Africa. Em 2011, o blog passa a editora, e é também por essa altura que o americano começa a viajar com mais regularidade, levando tesouros de África aos ouvidos de todo o mundo. Este domingo, é dia de Lisboa voltar a ouvir relíquias africanas.

Midland, domingo às 2h
Mais de um ano após a sua última passagem por Lisboa, Harry Agius está de regresso à capital para encerrar a segunda edição de Nova Batida pelas 2h de domingo. Produtor da famosa Final Credits – a Mixmag chegou mesmo a elegê-la como a melhor faixa de 2016 – Midland destaca-se principalmente pelas histórias que conta na cabine. No set de 2018 no AVA Festival, por exemplo, abre com palavras de Bill Hicks, passa para a sonhadora Glow Wall do seu compatriota Via Maris e segue num alegre passeio por entre faixas como a célebre música com vozes editadas de Nelly Furtado, Only Human, de Four Tet. Do disco ao house mais contundente, Midland promete fazer-nos dançar de modo incansável.


Fotografia cedida pela organização

relacionados

Deixa um comentário


t

o

p