CATEGORIA
Reportagem

Forte: Esta edição dançou-se freneticamente. Para o ano? Logo se vê

30 Agosto, 2019 - 19:35

Foram muitos os corpos que dançaram dentro das muralhas do Castelo de Montemor-o-Velho nesta sexta edição de Festival Forte. No fim, ouviram-se queixas que nos obrigam a refletir sobre o futuro deste festival icónico.

É desde 2014 que as muralhas e jardins do Castelo de Montemor-o-Velho se tornaram a casa de milhares de pessoas, ávidas de dançar, com a organização do primeiro Festival Forte. Marcado pela vertente techno, afirmou-se rapidamente como o evento que todos os ravers assinalam como “imperdível”.

Muitas das pessoas com quem falámos disseram-nos que se recordam perfeitamente da primeira vez que ouviram Ben Klock, Rødhåd, Donato Dozzy. Ali, no Forte. As memórias marcantes de todos aqueles que, ano após ano, subiram a longa escadaria, passaram a igreja de Santa Maria da Alcáçova em direção ao palco, para se deixar levar numa viagem eletrónica.

A isso chamamos de felicidade. A felicidade de quem encontrou no Festival Forte uma casa, repleta de pessoas com quem partilham as mesmas emoções vibrantes e que juntos formam uma espécie de energia comum, potente, que se sente na pele quando dançamos de olhos fechados naquela pista de dança.

Tivemos essa sensação com Jonas Kopp e o seu novo espetáculo ao vivo “Pleiadan Key Tones”, que encaixou como uma luva nas pessoas que já se encontravam na pista de dança. A partir de texturas ambientais, o set foi progredindo para techno industrial numa viagem que foi crescendo de força, potenciado pela energia trocada entre o público e o dj.

Já os Neon Chambers (Kangding Ray e Sigha) trocaram as voltas ao público com um techno repleto de ambient,  tocado em formato live. Coesos, são artistas que exploram vertentes menos ritmadas e mais melódicas, deixando uma certa curiosidade no ar mas ao mesmo tempo uma certa ansiedade. Afinal, a noite já tinha começado e os corpos sentiam a necessidade de se mexer mais livremente.

Por volta das 3h, subiu ao palco o dono da editora Warm Up, o inconfundível Oscar Mulero. A sua personalidade não-conformista é vivida pela música que passa variando do techno dos anos 90 para o experimentalismo para o contemporâneo, numa viagem sónica que fez as delícias de quem se deixou levar.

Polar Inertia – um dos nomes que tínhamos mais curiosidade ver ao vivo – afirmou-se como um nome a ter no radar. Obscuro, desde 2010 que interliga vários estilos de arte em inúmeras plataformas, tendo a música como base. Numa atuação live, um membro do projeto deu a conhecer a sua poderosa vertente ambiente, que por vezes deixava algo a desejar como ao mesmo tempo era capaz de nos surpreender. Essa ambiguidade deu uma energia ao set que poucos outros artistas conseguiram ter.

No seguimento, o duo italiano Boston 168 trouxe rastos de acid techno para o castelo de Montemor numa atuação que deixou algo a desejar, mais pela hora tardia em que atuaram do que pela prestação em si.

previous arrow
next arrow
Full screenExit full screen
Slider

Uma das maiores desilusões foi Paula Temple. No domingo, a britânica subiu ao palco principal à hora marcada para encerrar a edição deste ano e esperávamos ver o techno barulhento e fantasmagórico que nos habituou ao longo dos anos. Infelizmente, tivemos direito a duas horas extremamente desconexas onde a energia sonora esteve mais próxima do trance do que qualquer outra vertente. Para muitos terá sido o caminho certo para encerrar uma noite complicada. Para outros, deixou muito a desejar.

Um dos melhores sets desta edição ficou a cabo do português Amulador, reconhecido nome da praça nacional, que durante três horas (imprevistas mas já explicamos à frente) levou o público numa viagem com várias mudanças de bpm, intercalando melodias e batidas contundentes pela noite dentro. Um nome seguro para uma noite que acabou por ser bastante imprevisível e que, de certa forma, mancha a reputação do Forte.

Não podemos esconder o facto de que esta edição ficou marcada pelo cancelamento da maior parte dos artistas escalados para sábado e domingo, com acusações de falta de pagamento de cachet por parte da organização. Dentro do festival, foi impossível fugir às conversas sobre o tema. Entre reclamações e pedidos de explicação, o que começou como uma pequena fagulha rapidamente se transformou num incêndio e expôs falhas que se temiam presentes desde o ano passado.

O cancelamento de tantos artistas, já em cima da hora das respetivas atuações, é sinónimo de falta de coordenação por parte de quem organiza o evento, retirando valor ao festival a nível mediático, mas mais do que isso, retira valor ao público – uma grande fatia era estrangeiro – e às suas expectativas. Recentemente, o promotor do festival Ilídio Chaves explicou que o Forte é um festival “que não nada em dinheiro” e que “não tem sido possível fazer todos os adiantamentos de pagamentos pelas atuações, como é comum os artistas exigirem”.

“Já informámos as agências e os artistas que vamos fazer os pagamentos à medida que recebemos o dinheiro da bilheteira. Não vamos falhar qualquer tipo de pagamento e vamos cumprir todas as nossas promessas, por mais dificuldades que tenhamos”, acrescentou à agência Lusa. Também disse aquilo que muita gente pensou logo em 2017 quando foi lançada a campanha de crowdfunding “Save The Forte”: a continuidade do festival vai ser debatida.

O Festival Forte é um marco dentro da subcultura techno nacional que merece ser estimado e trabalhado com a mesma dedicação que outros grandes eventos. Não pode deixar de aproveitar um espaço tão emblemático como o Castelo e as suas diferentes zonas como o jardim e a igreja. Não pode ter problemas com pagamentos a artistas confirmados. Não pode permitir que falhas (que acontecem a todos) se transformem em evidências de erros previsíveis.

O Festival Forte merece mais empenho e os amantes do Festival Forte merecem um festival com melhor organização.


Fotografia por André Teixeira

relacionados

Reportagem

Deixa um comentário


t

o

p