AUTOR

A Cabine

CATEGORIA
Artigo

10 atos (entre tantos outros) a não perder no Festival Impulso

21 Junho, 2022 - 18:37

Com o arranque do Festival Impulso, nas Caldas da Rainha, marcado para esta quinta-feira, trazemos 10 dos nomes que não queremos mesmo perder.

É já entre os dias 23 e 25 deste mês que as Caldas da Rainha voltam a receber o Festival Impulso, por onde vão passar atos atrás de atos, sim, mas também vai haver ciclos de cinema, conversas e exposições.

A dois dias do começo, trazemos 10 sugestões a não perder no evento, mas há que ter em conta que este cartaz é riquíssimo. Seja um concerto inédito de Puta da Silva, nomes internacionais como Tomasa Del Real e Virgen María ou portugueses tão excitantes quanto Alice Alice, Aires, BLEID, Dakoi, Fogo Fogo ou Club Makumba, entre tantos outros, este Impulso vai pompear Caldas da Rainha de uma forma sem igual.

Nas palavras do co-diretor Nuno Monteiro, citado em comunicado, “um festival como o Impulso é um organismo vivo, uma multitude de inputs, estímulos, ideias e opiniões que se materializam numa experiência que queremos única e viva todos os anos.” Por lá, o objetivo mantém-se, pois claro: “fortalecer a simbiose com a cidade convertendo-a num espaço de encontro entre a música, os seus lugares históricos e culturais e a comunidade de estudantes e artistas locais.”

Podes ver as nossas sugestões abaixo e todas as informações (desde bilhetes a horários) no site oficial.

MEDUSA Unit (quinta-feira, às 16h30, no Centro Cultural e de Congressos)
Uma extensão do projeto a solo de Ricardo Jacinto, MEDUSA Unit é um ensemble composto por Álvaro Rosso (contrabaixo), André Hencleeday (piano), Eleonor Picas (harpa), João Almeida (trompete), Nuno Morão (percussão), Yaw Tembe (trompete) e por último, claro, Jacinto no violoncelo e composição. A arquitetura híbrida instrumental cria uma sonoridade, um ambiente e, claro, uma forma peculiar que deixam qualquer um rendido. Entre as tendências de jazz e de tantas outras, notamos acima de tudo um meio ideal para que se possa fechar os olhos, especialmente os que gostam de explorar novos sentidos, frequências e meditações. JF

Rally Fantasia (quinta-feira, às 19h10, no Palco Grémio)
“Foi bom ir no impulso de fazer e lançar”, dizia a dupla ao Rimas e Batidas aquando do lançamento do tema de apresentação, bubu lin. Formados por Henrique Sá (dos Acácia Maior) e por Cátia Sá (GUTA), os Rally Fantasia apresentam-se como um duo assente em letras em português e em eletrónica pop que, a julgar pela primeira música, tem tudo para viciar gente por esse país fora. Nas Caldas da Rainha, vamos ser todos ouvidos para saber o que é este projeto realmente traz. E que bom será ir no impulso. DD

Scúru Fitchádu (quinta-feira, à 1h00, no Main Stage)
Não há um rótulo que assente na sonoridade inovadora e estranhamente harmoniosa que a fusão de estilos presente na música de Scuru Fitchado representa. A banda da mente criativa de Marcus Veiga descreve-a como “afrofuturistic punk aesthetic bass”. Seja isto, funana gutural, punk kuduru, ou semba hardcore sob eletrónica desenfreada, o que é certo é que o resultado é inovador. Scúru Fitchádu é já um dos projetos de culto da cena nacional, e internacional, e a julgar pelo single Strada Noti do álbum que está para vir, e pelo histórico em palco, espera-se festa rija na noite de quinta-feira. RC

Clothilde (sexta-feira, às 16h30, no Centro Cultural e de Congressos)
Sofia Mestre, ou Clothilde, empenha um génio artístico tão envolvente que é difícil não querer ouvi-la com atenção em todas as oportunidades. Neste Festival Impulso, isso não será exceção. A artista, que é também colorista, fotógrafa, desenhadora e muito mais, viaja até às Caldas da Rainha com “Os Princípios do Novo Homem” na bagagem. Mais do que isso, aliás, viaja com a sua típica área de trabalho na mala: máquinas e módulos personalizados e construídos de raiz pelo companheiro Zé Diogo (AKA Hobo & The Birds).

Em palco, Clothilde fica de costas voltadas para o público – talvez para ficar mais concentrada, talvez para nos deleitarmos com as máquinas – e é precisamente isso que torna os seus encontros em momentos ainda mais íntimos. Essa intimidade cria-se na relação entre mulher e máquina, nos dedos que vemos viajar pela sua nave espacial, na música drone e experimental que nos leva até outro mundo. Imperdível, como sempre. DD

Hidden Horse (sexta-feira, às 18h30, no Palco Grémio)
João Kyron e António Watts estão por trás de projetos como Beautify Junkyards, mas em Hidden Horse vestem uma pele que nos remete para mundos da música industrial, krautrock ou hauntológica. “Opala” é o primeiro disco da dupla, estreou este ano e deverá ser a parte central do espetáculo no Impulso. Ansiosos por ver a eletrónica de Kyron e a percussão de Watts ao vivo, vamos estar na fila da frente para um concerto que promete pôr em evidência um dos projetos mais excitantes deste ano no cenário nacional. DD

Moss Kissing (sexta-feira, à 1h45, no Clubbing)
Para os seguidores de baixas frequências e ritmos frenéticos é obrigatório ouvir este nome no Festival Impulso. O músico baseado em Lisboa traz para os live acts tendências focadas na bass music – e não só! – cheio de voz, pedais de efeitos e outra maquinaria à mistura. Nome por trás do programa Sub Tempo, na Rádio Quântica, Moss Kissing lançou “Empty Basements” no final de 2021, um EP que flutua entre garage, breakbeat, ambiente e techno.

Para os próximos tempos, podemos esperar por um álbum em vinil, “Pass Through”, a ser lançado pelo coletivo lisboeta Vilamar. Mas ouçam este momento na Alínea A e digam-nos se querem mesmo perder este artista. JF

7777 の天使 (sexta-feira, às 4h10, no Clubbing)
Aperte-se play no álbum de estreia desta dupla (“Seven Angels”, 2021) e ouça-se desde logo o universo característico do projeto, tudo isto para ter percepção daquilo que será o momento nas Caldas da Rainha.

Auto-tune e algumas letras em português, violência e rasgos ásperos, paz e momentos calmos, riffs de guitarra ou de sintetizadores, kicks duros e contundentes, industrial, techno ou ambient… A magia de 7777 の天使 pode ouvir-se em casa – no referido álbum ou nos dois EPs da dupla – mas o que queremos mesmo é ouvi-la ao vivo. E isto tudo acontece já perto do final da noite, às 4h10 – haverá melhor hora para nos embrenharmos neste universo de Swan Palace e DRVGジラ? DD

Luís Pestana (sábado, às 18h15, no Palco Grémio)
O Palco Grémio no sábado, dia 25, é mais uma das provas da riqueza desta festival. Por lá vai haver nomes igualmente imperdíveis (Aires é um exemplo), mas o nosso destaque vai para Luís Pestana, não fosse ele responsável por um dos nossos discos favoritos dos últimos anos: “Rosa Pano”.

Na altura do lançamento, Pestana havia referido que é um trabalho que procura “criar música eletrónica experimental menos distante, e mais próxima de texturas e sensações humanas”. Como escrevíamos nos nossos lançamentos favoritos de 2020, aliás, “o ex-guitarrista dos LÖBO faz muito mais do que beber de influências como ambient – aqui, conta uma história arrepiante (e bem única) que bebe do folcore português (ouça-se Ao Romper da Bela Aurora) para fazer cair o pano do nosso âmago.” Cuidado com as lágrimas. DD

Odete (sábado, à 1h40, no Clubbing)
É impossível não olhar para Odete como um dos nomes mais relevantes da eletrónica (e da música!) portuguesa nos últimos anos. Afinal, estamos diante uma artista que não tem medo de recorrer ao âmago e ao espírito para compor música sincera, que certamente terá um lugar bem especial no coração de muitos, para escrever poesia ou até para trabalhar em performances como a que lhe valeu o prémio da primeira edição de ReXform.

No Festival Impulso, o foco estará na música e um concerto de Odete não deixa ninguém indiferente. (Provavelmente) munida de computador a emanar faixas exploratórias e de uma presença efervescente no palco e no microfone, a artista multidisciplinar promete assinar um dos grandes momentos do festival. Afinal, estamos a falar de um nome que, na música, apresenta obras tão ricas quanto o álbum “The Consequences of a Blood Language”, no qual grande parte deste espetáculo se deverá centrar. E mesmo que viaje por outros discos, a honra será nossa. DD

Nídia (sábado, às 2h30, no Clubbing)
Que “Nídia É Má, Nídia É Fudida” já todos sabemos. Já muitos de nós sabem, aliás, que Nídia é uma produtora capaz de nos pôr a dançar incessantemente – ouça-se trabalhos como “S/T” ou o álbum “Não Fales Nela Que A Mentes” – mas o que talvez nem todos saibam é a DJ excecional que esta mulher é. Este será um momento de festa garantida e, se dúvidas houver, então basta passar por este recente set que assinou no NOS Primavera Sound, onde tocou faixas de nomes como DJ Danifox ou de Dubdogz a remisturarem Vitor Kley. DD

Por Daniel Duque, João Freitas e Rui Castro

relacionados

Deixa um comentário






t

o

p