AUTOR

Daniel Duque

CATEGORIA
Entrevista

A lake by the mõõn e a missão de encontrar arte sobre a crise climática

4 Fevereiro, 2022 - 12:50

Chama-se Duarte Eduardo, assina como A lake by the mõõn e lançou um dos melhores discos de 2021: “Life in Warp”, trabalho feito a partir de sons emitidos por animais em vias de extinção.

Quando ouvimos A lake by the mõõn pela primeira vez, em 2019, aquando do lançamento de “world world”, não esperávamos que este nome lançasse um álbum tão peculiar, envolvente e rico em 2021.

Foi isso mesmo que aconteceu com “Life in Warp”, um dos nossos favoritos desse ano. Mas a história de Duarte Eduardo na produção de música eletrónica começa muito antes disso, como nos explicou na entrevista de 2021 que recuperamos agora.

“O primeiro projeto assim público que tive foi em 2014 para aí, Masta Potatoes, no qual era DJ e produtor de dubstep e drum’n’bass, outras vidas mesmo”, conta. “Antes disso, andava só a aprender guitarra e produção no YouTube. Shoutout a toda a gente que faz tutoriais, quase literalmente salvaram-me a vida.”

Notemos a peculiaridade de “Life in Warp”: feito a partir de sons emitidos por animais em vias de extinção, este trabalho passa por diferentes influências sonoras (de ambient a techno) para enriquecer o ouvinte por completo. Curiosamente, apesar de toda a beleza deste álbum, A lake by the mõõn nem sempre confiou na qualidade do seu trabalho.

Lançá-lo, aliás, “significa que eu estava errado. O meu diálogo interior sempre foi algo assim ‘tu não consegues fazer nada com pés e cabeça, nem consegues acabar nada nunca nem te dedicar a sério a nada, nunca vais conseguir fazer um álbum e, mesmo que consigas, vai ser uma merda e vais ter 80 anos e ninguém vai querer saber e vai ser algo que já toda a gente fez.’”

Felizmente, Duarte Eduardo estava redondamente enganado. Talvez lhe falte a confiança, mas não falta o génio artístico, este talvez inspirado por aquilo que absorve no dia-a-dia: “Estou constantemente à procura de coisas que me mexam por dentro e por fora. Essas coisas vão desde histórias de pessoas que fazem o seu absoluto melhor para alcançar justiça e liberdade para toda a gente, miminhos, cores lindas, beats foda e animais e natureza no geral.”



“E se todos os sons fossem baleias?”

A lake by the mõõn explica que o conceito de “Life in Warp” “surgiu ao encaixar duas ideias que pairavam na sua cabeça: por um lado, andava sempre a aprender cada vez mais sobre produção tanto artística como tecnicamente”, tanto que percebeu “que dava para criar qualquer som a partir de qualquer fonte sonora ou a partir de imagens”.

“Por outro lado”, continua o músico das Caldas da Rainha, “andava a ouvir bué sons de baleias e a querer fazer música com baleias. Então foi basicamente ‘pera aí… e se todos os sons fossem baleias?”

“Foi grande ginástica”, confessa, “mas foi tudo feito dentro do PC no qual estou agora a responder-te. Tentei que fosse um processo metódico, mas falhei redondamente. Foi grande caos porque achava que ia ser algo linear ‘ah, agora vou estar dois meses a colher sons, depois outros mês a tratá-los e tirar ruídos, depois começar a criar os sons, depois começar a criar as músicas etc.”

“Mas quando estava a fazer a última música”, recorda A lake by the mõõn, “ainda estava à procura de sons de animais (por acaso foi quando encontrei grande banco de sons de animais) muitos nem precisaram de tratamento para tirar ruídos, outras vezes começava músicas inteiras com synths normais e depois arranjava maneira de fazer o mesmo com sons de animais, outros foram resampling de sons com os quais conseguia fazer grande variedade de outros sons etc.”

Preocupado com o facto de vivermos “a maior emergência de sempre” – como a “crise climática” que danifica a vida animal selvagem, entre outros pormenores – Eduardo afirma que “o Life in Warp foi um grito de todo o desespero acumulado de viver numa sociedade completamente doente.”

Musicalmente, Duarte Eduardo quis “criar um novo ecossistema [onde pudesse] guardar todas as espécies e ir explorando, ao longo de 40 minutos, os seus sentimentos de desespero e resistência.” E que não sobrem dúvidas: “Pensei muito no álbum como um set de música eletrónica de dança para animais em vias de extinção”, lembrou o músico.

“Como enfrentamos a crise climática sem haver arte onde encontramos os nossos sentimentos expressados?”, perguntou ainda A lake by the mõõn, que “nunca sentiu que houvesse música dentro desta temática [que pudesse dizer] ‘ok, é isto que sinto.”

Mas é certo que essa temática pode ser encontrada, pelo menos agora, neste “Life In Warp”, incontornavelmente um dos álbuns mais ricos de 2021 e, quem sabe, da eletrónica feita nos últimos anos em Portugal. E este disco é para todos: para nós, para o mundo, para os animais. Tratemo-lo bem.

Fotografia por Tasya Spektor

relacionados

Deixa um comentário






t

o

p