AUTOR

Daniel Duque

CATEGORIA
Reportagem

HYPER despede-se da temporada com Keith Carnal

5 Junho, 2018 - 10:30

O regresso de Keith Carnal a Portugal aconteceu no primeiro sábado de junho. A HYPER foi a responsável pela estreia do holandês na cidade do Porto, no Indústria Club, numa festa que contou também com Dystopic L. e Nørbak.

Desde a sua estreia, a organização da HYPER já presenteou os portuenses com Jeroen Search, Antigone, Amelie Lens e Regal. Estes nomes, claro, ao lado do que de melhor se faz em Portugal, sempre a fazerem jus aos artistas que acompanham.

No último evento da temporada – a data de regresso ainda não está definida – isso não foi excepção. Dystopic L. foi o primeiro a subir à cabine, num live set munido de Ableton. Mesmo que o nome não nos remetesse para ambientes distópicos, ficaríamos absorvidos pela atmosfera que abriu caminho para Keith Carnal.

previous arrow
next arrow
Full screenExit full screen
Slider

Foi com a profundidade de Shepherd’s Brine de Rrose que o holandês arrancou o seu set de três horas, que ficaria assinalado pela vasta seleção de músicas que escolhia por entre quatro CDJs. A melodia e os detalhes da viagem marcavam os ouvintes e, quando se começou a ouvir a percussão do remix de Len Faki de Wide Open de DJ Hyperactive, a resposta era só uma: o caos estava instalado.

O quatro por quatro frisava o desejo do público pelas batidas, e Carnal respondeu com uma última hora ainda mais intensa, por entre músicas do próprio e não só. No fim, a intensidade permanecia, mas com a voz de Donna Summer em I Feel Love a proclamar o encerrar da intensa tenacidade do holandês.

Quando chegou a vez de Nørbak, por volta das 6h, o jovem alinhou-se à veemência de Keith Carnal, mas à sua maneira. Tinha diante dele um público sedento por música, e não parou de surpreender as pernas e os braços que dançavam. Ainda houve tempo para ouvir faixas que ainda não estrearam, como o caso do amarantino com o remix de Farceb da sua Marah I, ou Carnal com uma de Kwartz.

Se aliarmos tudo isto à decoração, desde aliens às projeções visuais, ao omnipresente sistema de som do Indústria, não temos hipótese se não aguardar ansiosamente pelo regresso da HYPER.


Fotografia por André Teixeira

relacionados

Deixa um comentário






t

o

p