AUTOR

Daniel Duque

CATEGORIA
Artigo, Lançamento

Faixa-a-faixa: David From Scotland – Hooligan’s Heart

5 Março, 2021 - 16:40

É desde o Porto, cidade “que tanto os inspira”, que chega uma história de amor assinada pelos David From Scotland. “Hooligan’s Heart” é o primeiro longa-duração da dupla.

Uma terna e real cumplicidade, como a que se vê no recém-lançado vídeo de acceptance, só pode ser frutífera. A dos portuenses David Félix e Diogo Barbosa é tão afável quanto séria, tão sincera quanto genuína, e isso é audível ao longo de “Hooligan’s Heart”, o álbum de estreia dos David From Scotland, editado esta sexta-feira 5.

Não nos fechamos num carro com qualquer um e tampouco partilhamos o fumo dos nossos cigarros. São atos que revelam companheirismo, que demonstram uma ligação que limitamos àqueles com que gostamos de saborear a vida. Para Félix e Barbosa, essa união existe, tanto que, em pleno confinamento, procuraram gerir o seu tempo para fazer isso mesmo, como explicam nesta conversa.

“Durante o ano passado, e com tudo fechado, íamos muitas vezes para um parque entre Pedrouços e São Mamede, com os nossos carros, para ouvirmos as músicas, fazermos novas ideias, falarmos sobre planos de futuro”, contam-nos. Foi nesse mesmo cenário que ouviram o remix de Rita Maomenos a lovevigilants, por exemplo: “no tal parque onde produzimos parte do disco, ouvimos esta malha com o sistema de som do carro no máximo, enquanto fumávamos um cigarro, depois de mais um dia fechados em casa.”

E não é só a DJ e produtora portuguesa que participa em “Hooligan’s Heart”. Aliás, este álbum é um trabalho com um lado colaborativo bem acentuado. Ao longo das sete canções originais, há vozes de Flame Robin, EVAYA, Vítor Pinto, Gil Jerónimo, ena b e MONDAY. Depois, há ainda lugar para remixes do “herói musical” Dupplo, do influente nome para o projeto LIQUID, do produtor do disco Sh33p e, ainda, de VIC, outro dos pseudónimos de Vítor Pinto.

É claro que as influências synthwave, synthpop ou de bandas como New Order são audíveis, mas não é nisso que se pensa enquanto se ouve este álbum. O que chama mais a atenção é antes cumplicidade e honestidade marcadas por brio e coragem. Coragem para falar abertamente sobre questões que só confiamos aos mais próximos – neste caso, a de uma “história de um coração inquebrável, a lutar entre todas as fases de um relacionamento amoroso trágico”.

Além do lançamento do álbum, sobre o qual a banda fala abaixo em formato de “faixa-a-faixa”, os David From Scotland apresentam o disco esta sexta-feira, pelas 21h30, em direto no YouTube do duo. Até lá, o trabalho pode ser encontrado no Bandcamp e YouTube.

lovevigilants x Flame Robin
“Na nossa opinião, foi, sem dúvida alguma, a melhor forma de começar este disco. É uma canção que ilustra a dualidade entre as certezas/incertezas de uma relação. Uma viagem que nos sufoca na angústia de não sabermos bem onde iremos chegar, e em que o propósito é apenas conduzir.

Convidamos o Francisco Taveira (aka Flame Robin), dos Dream People, para dar voz ao tema, e ficamos totalmente em êxtase com a sua colaboração.

Aproveitamos para partilhar que este será também o quarto single do “Hooligan’s Heart”. Iremos lançar um videoclip em abril para a lovevigilants, feito pelo MBARDO; um amigo nosso da Rússia, que traçou o plano de dar o suporte visual à música, nas ruas de Rostov. Estamos ansiosos para poder partilhar!”

cantfixme
“É a música instrumental do disco, que reflete todo um sentimento de revolta e adrenalina. Aquele instinto de querer rasgar de vez com tudo o que nos liga a uma relação falhada, na tragédia de nos querermos encontrar no meio do nevoeiro denso. As emoções que a cantfixme nos transmitem, também nos ligam imenso ao Porto, na verdade. Nenhuma pessoa nos consegue emendar, recuperar, ou solucionar, e apenas a Invicta, que tanto nos inspira, e nos faz querer ficar, dia após dia, é que consegue. Muito honestamente temos o sonho de um dia podermos tocar (pode ser esta música) no estádio do Dragão.”

futurewillbebetter x EVAYA
“Acabamos de fazer esta música ainda no primeiro confinamento. Foi provavelmente a última ideia do disco, e a primeira a ficar finalizada. Deu imensas voltas até ao seu esboço final. Quando convidamos a EVAYA, e ouvimos as suas primeiras impressões acerca da canção, soubemos quase instintivamente que este teria de ser o primeiro single do “Hooligan’s Heart”. Vivíamos (e vivemos) tempos estranhos, tempos muito confusos, e esta música ofereceu-nos uma espécie de refúgio ao encontro de uma dimensão paralela. A voz suave, quase em jeito de meditação, e totalmente reconfortante, da EVAYA, serviu na perfeição toda a projeção desse estado de espírito, também associado muitas vezes a uma falsa sensação de normalidade, no meio da inquietação amorosa.

Quantas vezes é que já pensamos que o futuro seria bem melhor, sem conseguir antever a tempestade que se avizinhava?”

acceptance
“A tempestade acontece aqui! A acceptance é o single oficial do disco, e conta com duas participações muito especiais para nós: o Vítor Pinto e o João Losa.

Tanto o Vítor, como o João, têm contribuído muito ativamente no passado, presente e futuro de “David From Scotland”. Para além de serem também a nossa banda suporte ao vivo, partilham comigo, e com o Diogo, os Malibu Gas Station, e noutros tempos, nós os três, tivemos a nossa primeira banda juntos, O Abominável. A química entre nós é imensa, e não podia ser de outra forma. Sabemos que se entregarmos qualquer música ao Vítor, a voz dele irá retratar de uma forma intensa, e dinâmica, toda a roupagem e estética do nosso projeto; o mesmo funciona com as guitarras do João, e com as suas ideias/recomendações bem saudáveis e concretas enquanto produtor musical.

Quanto à essência da canção, representa o estado de descrença no fim de um relacionamento amoroso, indo ao encontro do momento em que revemos, e posteriormente apagamos, todas as nossas memórias digitais.

‘Can we seek the connection lost long ago?’”

Hooligan’s Heart, álbum de estreia dos David From Scotland, sucede os EPs “Winter Wise” e “Baywatch Drive”

fromdusktilldawn x Gil Jerónimo
“A fromdusktilldawn é a aceitação da rotina, onde todos os problemas e angústias não passam de uma junção entre a ansiedade e a forma corriqueira como a vida toma o seu curso normal. Afinal quem nunca, depois de ser interrogado acerca do seu estado de espírito, respondeu com um reconfortante “cá estamos” ou com um entusiasmante “vai-se andando”?

Este sentimento está ligado ao significado do disco, naquela fase em que no fim de um relacionamento amoroso trágico, admitimos que vai ficar tudo bem; importa deixar andar, e ficarmos rodeados pelas pessoas de que mais gostamos. É a vida que volta a seguir o seu curso normal. Só temos de respirar fundo, e contar até dez…

Esta foi a nossa música mais “rápida” a ser feita! Eu e o Diogo, durante o ano passado, e com tudo fechado, íamos muitas vezes para um parque entre Pedrouços e São Mamede, com os nossos carros, para ouvirmos as músicas, fazermos novas ideias, falarmos sobre planos de futuro, etc; e a esta canção surgiu muito dentro desse contexto.

Ainda não temos bem noção da naturalidade como as coisas foram feitas, mas isso também é uma história que fica para contar depois. O Gil Jerónimo é uma das melhores pessoas que já conhecemos, sempre super cool e disponível. É a personificação perfeita para o que é ser boa onda! Assim que ouvimos o resultado final da música, com a colaboração do Gil, esta transportou-nos logo para um imaginário New Order, daí também o tipo de baixo que optamos por gravar na faixa. Honestamente, gostamos tanto de colaborar com ele, que até conseguimos imaginar mais registos assim numa vibe Washed Out, Neon Indian, ou até mesmo ao encontro dessa nossa influência principal, New Order. Não sabemos bem porquê, mas sempre que pensamos no Gil, conseguimos fazer um paralelismo entre a vibe incrível dele, com a vibe do nosso herói, Bernard Sumner, e acho que isto explica muito bem o nosso entusiasmo nesta canção.”

nothingbutloosends x ena b
“A participação da ena b foi uma surpresa muito agradável. Talvez por ter sido a colaboração que estava mais distante do seu espectro musical… Mas a verdade é que ficamos extremamente satisfeitos com o resultado. O vocoder que utilizamos foi propositado para transmitir aquele sentimento de distorção e alineação da realidade, quando dois corpos que se amam, sabem que a separação é uma evidência. Esta canção também nos transporta automaticamente para um episódio qualquer da série Black Mirror… A mistura da voz foi tudo ideia do Miguel Moura, o nosso produtor, e ficamos felizes porque até conseguimos fazer quase uma comparação entre esta música, e a O Superman, da Laurie Anderson (com as devidas distâncias, claro).

pacing x MONDAY
“Foi de uma alegria muito grande para nós quando a MONDAY aceitou colaborar connosco. Estávamos muito expectantes em relação a este tema, e a verdade é que ela fez a magia habitual, com o seu registo muito próprio, cativante e único. Da mesma forma que a lovevigilants foi a melhor maneira de começar este disco, a pacing é o fim perfeito. Se o “Hooligan’s Heart” fosse um filme, seria aqui, neste preciso momento, que passariam os créditos. Ao contrário dos outros temas, em que fizemos as músicas, e depois é que pensamos num convidado, na pacing, quando falámos com a MONDAY, tínhamos apenas a base da estrutura, e tudo o resto já foi feito a pensar na sua colaboração, o que tornou a composição do tema desafiante e bastante pragmática. A sua interpretação deu o mote final à história do disco.”

Direitos de imagem reservados

relacionados

Deixa um comentário






t

o

p