AUTOR

Daniel Duque

CATEGORIA
Podcast

N’A CABINE #008: Tiago Sevivas

23 Julho, 2018 - 19:42

Tiago Sevivas é o segundo membro da Mood Collective a entrar n’a cabine para mostrar o que anda a ser feito por Chaves.

Natural de Boticas, a leste da cidade flaviense, foi lá que “a paixão por misturar faixas” começou. Em 2009, tornou-se residente do Kevin’s Club, o único clube botiquense, durante cerca de cinco anos. “Desde então não parei”, diz-nos, “e a ligação com os decks foi crescendo”.

Como dj, Tiago Sevivas “nasceu com a fundação da Mood Collective”. No entanto, a residência no Kevin’s Club foi essencial para aprender a “conhecer o público e trabalhar em prol dele”. Isso deu-lhe “muita experiência”, como a noção de “controlar a pista de dança” sem deixar de lado os gostos pessoais.

Pretende continuar a dar música ao público que sempre o acompanhou, seja através de house ou techno, mas o primeiro é “sem dúvida o género mais influente para o meu projeto”. Quer assumir “uma versatilidade distinta” em cada set, “gerando energia eficiente para guiar” os o que o ouvem. Gosta de se “entregar ao público”, de transmitir as suas “sensações”, e de procurar a sintonia: “se não existir, é como aplicar cores numa tela que acaba branca”.

Vê a música que seleciona como “essencialmente energética, com grooves mexidos e eventuais vocais que acompanham linhas de grave secas e fortes”. Música essa que tem um lugar muito importante na sua vida: “sem ela não era eu, não existia, sempre esteve presente ao longo da vida; eletrónica ou não”.

Sevivas acredita que o panorama português está “num bom caminho”, especialmente ao observar o trabalho que tem vindo a ser feito: de “artistas jovens e promissores” às promotoras. Nota “um forte impulso que advém do bom trabalho de todos os intervenientes da música eletrónica em Portugal”, e no caso de Chaves a resposta é simples: “o meu papel é ajudar, trabalhando” para evidenciar a cidade, existam “eventos de eletrónica ou não”.


Tiago afirma que a Mood Collective nunca esperou por “algo tão robusto e definido em apenas um ano e meio de existência”. Mas, assim como disse Luís Pisco, Sevivas reflete a importância de não pararem pois “há muito trabalho para ser feito”. O coletivo flaviense, que conta também com Gonçalo Madureira, quer continuar a ajudar no “desenvolvimento da cena eletrónica portuguesa”. E claro, Tiago Sevivas também quer continuar a progredir: “o próximo passo será começar a produzir e a mostrar um pouco mais de mim e da minha música”.

relacionados

Deixa um comentário



t

o

p