CATEGORIA
Podcast

N’A CABINE #016: Rita Maomenos

28 Fevereiro, 2019 - 18:53

Neste episódio, Rita Maomenos leva-nos numa viagem pelas suas influências.

Rita teve o primeiro contacto com a música eletrónica no festival Paredes de Coura. Tendo ido, na altura, maioritariamente pelas bandas, o que marcou realmente a jovem dj de Castelo Branco foram as atuações dos djs. E é pouco depois, quando se muda para Roterdão, durante o Erasmus, que Rita aprofunda este interesse pela música. Descobre o Perron, uma discoteca de techno local – que passa a frequentar “todos os fins-de-semana” – e, quando regressa a Lisboa, começa a ser presença assídua no Lux.

Os primeiros passos como dj foram dados em Mannheim, na Alemanha, onde Rita fez o mestrado em Economia. O lado underground da cidade, as raves ilegais e as festas sem fins lucrativos, inspiraram-na a comprar uma controladora e a começar a tocar para os amigos. Foi numa destas ocasiões, num after organizado à beira-rio depois de uma noite no Peer23 (um clube em Mannheim), que Rita conheceu um grupo que organizava raves, e que os convenceu a deixá-la tocar numa das suas próximas festas. Não tardou até começar a tocar também em bares e clubes.  Depois de três anos em Mannheim, onde aprendeu imenso sobre música e onde conheceu “pessoas extraordinárias”, Rita muda-se de novo para Roterdão, onde vive agora, para fazer o doutoramento em Economia. Com mais algum tempo livre e, finalmente, dinheiro para investir em equipamento, comprou umas Yamaha HS80 e começou a produzir. Continua, entretanto, a frequentar o Perron.

Das suas experiências, e em jeito de comparação com o panorama em Portugal, Rita destaca a importância que a música eletrónica e, em particular, o techno tem na Alemanha. Revela que “é algo visto como arte”, culturalmente muito enraizado e incrivelmente presente – seja em cidades grandes, seja em pequenas. Da cena holandesa, fala-nos da cultura dos sistemas de som: existem raves que são organizadas por sistemas de som, onde cada um tem o seu próprio estilo de música, que pode ir desde o hardcore, ao techno, ao drum’n’bass.

Quando questionada acerca dos seus gostos e influências, Rita confessa que adora sons dark, atmosféricos e hipnóticos, mas, ao mesmo tempo, de música que tenha uma certa elegância. Quando começou a ouvir música eletrónica, procurou conhecer de tudo um pouco: trance, oldschool hardcore, house, lo-fi house, romanian house, dub e, claro, techno. Isto reflete-se nos seus primeiros sets, que diz serem “uma mistura de todos estes géneros, com as músicas mais fora do comum que conseguia encontrar”. Eventualmente, começa a interessar-se por sonoridades mais obscuras e melancólicas. A nível nacional destaca, por exemplo, Lewis Fautzi, Vil, Temudo, Eg0n, Miguel Torga, Norbak e A Thousand Details. A nível internacional, a cena deep e subtil espanhola – Deepbass (e a Informa Records no geral), Massa -, o dark hipnótico italiano – Giorgio Gigli, Alan Backdrop, Luigi Tozzi, Ness, VSK – e, a nível da Holanda, Abstract Division, Jeroen Search, Dubiosity e Ben Buitendijk. DVS1, Artefackt, Blazej Malinowski ou Stephanie Sykes são outros exemplos da (longa) lista de artistas que Rita admira e acompanha.

Nos seus sets, Rita procura contar uma história à audiência, pensando sempre na sua evolução e no mood que quer transmitir. A ideia para este episódio do podcast, conta-nos, era “construir um mix conciso e hipnótico, que transmitisse um feeling melancólico, taciturno e pesado, mas sem ser agressivo. Com kicks elegantes, mas melodias quase pós-apocalípticas, pós-destruição”.


Os planos para o futuro passam por conhecer mais acerca da cena em Roterdão – dos artistas, às labels, festas, ou rádios -, e também pela produção. Outro objetivo é aprender a tocar com vinil, para poder incorporar nos seus sets faixas apenas disponíveis neste formato. Quer também continuar com seu programa mensal na Frission Radio, rádio online de música underground e alternativa, que considera ser um projeto muito interessante e no qual tem imenso gosto em participar.

relacionados

Deixa um comentário


t

o

p